Texto originalmente publicado, no Muza, em fevereiro de 2013. | Foto por: Babes of Bushwick

De certa forma esse texto é a continuação do ”Masculinidade Reformulada”, que por sua vez é a continuação de uma sério de textos a respeito da identidade masculina, “Libertação Masculina”, “Só um pedaço de pano”, “Vira Homem”, “Men-Ups”.

Historicamente mulheres foram objetificadas e muitas vezes vistas como imagens de um desejo. Cada vez mais homens são transformados em objetos de desejo. Mulheres, gays, todos ganham o direito de desejar e serem desejados. Em meio as novas expressões de desejo, bem como novas imagens masculinas, vale reavaliar o que é a sensualidade masculina. 

O sensual, de forma geral, sempre teve um padrão preestabelecido, mas a sensualidade é cada vez mais ampla. A imagem tradicional de sensualidade não deixa de existir, mas passa a ser acompanhada de diversas outras. Os fetiches são um exemplo. A diversidade dos fetiches mostra o quão diferente pode ser o conceito de sensualidade para diferentes pessoas.

A sensualidade masculina, tida como os grandes músculos, o corpo robusto e a postura dominadora, é reformulada pelos novos homens. Apesar de ainda ser o modelo dominante, a suavidade passa a ser apreciada também. O homem ‘modelo’ perde seu lugar de sedutor supremo. 

Um homem sensual, assim como qualquer pessoa, é aquele que seduz quem o observa. Seja ele a imagem e semelhança de atores pornôs ou fuja completamente dos padrões do “homem sedutor”. 

No fim das contas o homem sensual padrão é o mesmo de sempre, mesmo abdômen definido, pele perfeita, corpo esculpido. Sensual? Sim! Interessante? Sim. Diferente? Não. 

Ser diferente, único, é excitante.