Texto por: Guilherme Bayara | Imagens: DeviantART

encruzilhada

Pobre menino, perdido na encruzilhada, dividido pela bifurcação na estrada, partido pela dúvida estampada.

Por mais tortuoso, que antes fora, seu caminho, ele o seguia. Seguia por suas curvas, passava por seus buracos, escalava tuas montanhas, atravessava teus abismos, não importava o que lhe aparecesse, ele simplesmente seguia, em frente, sem medo. Andou por campos de rosas vermelhas, pisou em brasa ardente, sentiu a doce brisa acariciando tua face, assim como o vidro perfurando teus pés.

Pobre menino, que antes, apenas seguia teu caminho, escolhendo como seguir, em frente, apenas. Seguindo em frente.

Nesta caminhada, achou, enfim, a parte mais difícil. Encontrou a bifurcação. Complexa. Traiçoeira. São apenas duas opções, menino, você tem de escolher. Não há volta. Não há meio termo.

lostboy

Mas como escolher, quando a escolha implica em deixar parte da vida não vivida? Como escolher, quando isso determina teu futuro? Não existe opção boa ou ruim, não existe vantagem óbvia. Em nenhum dos caminhos.

Pobre menino, diante da bifurcação, a bifurcação de sua vida, sem saber que caminho seguir.

Pobre menino, com o futuro nas mãos, sem saber o que fazer no presente, e o que deixar no passado.

Pobre menino...