Texto: Guilherme Bayara | Imagem: We ♥ it (We Heart it)

3D

Minha vida...

De repente, parece tão...

Fora do lugar...

Parece que a imagem não se forma, que as coisas não se encaixam...

Onde estão às formas, as cores, onde está tudo...

Parece que preciso de algum adaptador para poder sintonizar a frequência, perdida, de minha própria vida. Como se precisasse de óculos para enxergar ao meu redor...

Sinto como quando entro no cinema, para assistir um filme 3D. Com aqueles óculos, com as lentes que adaptam a imagem para que eu possa ver, tudo parece lindamente real, mas não é. Eu não deveria precisar de óculos para desembaralhar a imagem e fazê-la parecer real...

Minha vida se transformou em outra dimensão, na qual sou um estranho, na qual sou quase um cego, mais um ser perdido em outra realidade alternativa. Preso na tela e na plateia de um filme sem fim, irreal...

É como se quando eu retirasse os óculos, como se quando tento encarar a realidade, tudo a minha frente se misturasse e de repente a imagem se embaralhasse em milhões de fantasmas. É insuportável, então logo recorro aos óculos, por mais enganadora que a imagem possa parecer, eu sou capaz de enxergar e assim fugir do caos.

Mas isto me cansa, os óculos me incomodam, a falta de realidade me assombra. Quero poder ver tudo claramente sem precisar de adaptadores, de lentes, de sintonizadores. Quero a realidade, mas a realidade com a qual havia me acostumado, onde antes eu conseguia ver sem a necessidade de nada para auxiliar, sem precisar de artifícios para “viver”...

Minha vida não foi feita para ser assistida, ela foi feita para ser vivida...

Não sei quando e muito menos quando conseguirei isto, apenas sei que mal posso esperar pelo momento em que pegarei estes óculos, que pesam cada vez mais em meu rosto, e joga-los ao vento, e me libertar...

Minha vida não foi feita para ser vista através de lentes...