coração_sangue_amor

Texto: Guilherme Bayara | Imagem: We heart it

Talvez torturador   

Quem sabe assassino   

O maior serial killer   

Venenoso, traiçoeiro, viciante, prazeroso. 

Age como droga que aos poucos no domina, o prazer não desaparece, é apresentada à dor.   

Já diziam, “Quando a cabeça não pensa o coração se apaixona”. O sangue contaminado lhe tira o controle, seu corpo se entrega facilmente, você tenta se enganar, a hipnose involuntária auto administrada invade sua mente.   

Ah, o amor. Alegria dos apaixonados, maldição dos não correspondidos, esperança dos esquecidos, tortura dos iludidos.   

O protagonista coadjuvante, o coadjuvante protagonista, sempre presente, sempre lembrado, sempre culpado.   

Ah, o amor...   

4

Nunca um número tão pequeno

Fora tão complexo

Nunca quatro letras foram tão cruéis.